sábado, 17 de novembro de 2012

Revoadas sobre Roma


Estive em Roma no Inverno e, preparada que estava para apreciar as artes, a arquitetura, a gastronomia, a moda, a religião – grandes atrações da cidade - fui surpreendida por um espetáculo da natureza, a murmuração de estorninhos.


Murmurações de estorninhos sobre Roma, Itália


Estorninhos são passarinhos que, na Europa, após o período de reprodução no Verão, migram em bando do Norte do Continente em direção ao Sudoeste a partir do Outono. Aparentemente, Roma é uma Meca neste roteiro, chegando a ser invadida por mais de cinco milhões dessas aves a cada ano.
 



Murmuração é como se chama um bando de estorninhos que pode conter de algumas dezenas de milhares a mais de um milhão de indivíduos. Depois de passar o dia dispersos em pequenos grupos, atrás principalmente de insetos em campo aberto, eles reúnem-se no final da tarde para juntos passarem a noite em segurança.

Murmurações de estorninhos

O balé executado no céu pelas murmurações, com movimentos e coreografias espetaculares, é uma tática de evasão de predadores, onde o indivíduo indefeso transforma-se num ser grande e extremamente ágil, difícil de ser apanhado, especialmente se evitar permanecer nas bordas da murmuração. Os passarinhos demonstram uma sincronicidade espantosa. A ciência explica que cada um deles fica de olho em outros sete à sua volta, imitando instantaneamente qualquer variação no vôo de seus vizinhos. No mar, as sardinhas fazem o mesmo.

Murmuração de estorninhos
 
Nos tempos atuais em que a sociedade dos humanos passa a se organizar e atuar cada vez mais em rede, o fenômeno da murmuração e da imitação dos estorninhos já é objeto de estudo nos processos de comunicação, disseminação e adoção de ideias e comportamentos coletivos.
 
Estorninho europeu (Sturnus vulgaris)
 
Cai a noite e os estorninhos recolhem-se a suas árvores-dormitório seguindo os indivíduos que, durante o encontro na murmuração, lhes pareceram mais bem alimentados para, na manhã seguinte, partir com eles para as áreas de comida mais farta. Como tudo tem um preço, terminado o espetáculo, a cidade eterna, transformada em enorme poleiro, enfrenta então um também eterno problema, como dizem alguns, o de lidar com os excrementos dos acrobatas voadores.
 
Portanto, estacionar debaixo das árvores durante a noite está fora de questão e ter um guarda-chuva à mão faça chuva ou faça sol, pode vir bem a calhar, especialmente numa caminhada ao longo do Rio Tibre: os estorninhos têm predileção pelas árvores que o margeiam. Que o digam os membros da patrulha da Liga Italiana de Proteção de Pássaros que, ao fim do dia, vestidos da cabeça aos pés em macacões de plástico, de máscara e munidos de megafone, tentam espantar os passarinhos das árvores tocando em alto volume, gritos de socorro da própria espécie. Alguns resistem e os que se vão, apenas transferem o problema para uma outra árvore na cidade...

Carro estacionado à beira do Rio Tibre coberto por excrementos.
Patrulha da Liga Italiana de Proteção aos Pássaros tentando espantar os estorninhos das árvores  às margens do Rio Tibre com a reprodução em alto volume de gritos de socorro da própria espécie.
Alguns estorninhos resistem e outros se vão, mas não para muito longe,
apenas transferindo o problema para outro lugar.

4 comentários:

Eduardo P.L disse...

Magnífica postagem. Vejo que não conhece nenhum dos meus 60 blogs. Comece por linkar o Varal de Ideias ( www.cimitan.blogspot.com.br ) os outros estão listados no sidebar.
Vou ler suas cronicas. As minhas estão no blog O ÚLTIMO BLOG que da nome ao livro: www.elunardelli.blogspot.com.br )

Bjs

Dulce Vasconcellos disse...

http://www.blogger.com/profile/01888226374213432574 Eduardo, que bom que você gostou desta postagem. Vou explorar seus blogs, 60, nossa, tanta coisa para contar, fiquei curiosa! Bj.

Anônimo disse...

Murmuração de estorninhos e sociedade em rede. Formidável! Gio

Dulce Vasconcellos disse...

Obrigada, Giovanna, valeu!